A PERVERSIDADE INUNDA O BRASIL

Imagem Movimento Mulher Correndo Medo

“Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente:
não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,
pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada,
de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural.
Nada deve parecer impossível de mudar.”

In: Nada é Impossível de Mudar – de Bertold Brecht

Estamos mesmo indo de mal à pior.

Um homem acusado, dentre outras coisas, de violência doméstica, acaba de ser eleito presidente da câmara dos deputados em Brasília.

Não que isto deva nos causar algum tipo de surpresa. Principalmente em tempos de cólera e de absoluto desterro como estes que estamos atravessando,

Mas o fato é que a ex-mulher desse homem, Jullyene Lins, o acusou de espancamento com requintes de crueldade. Relatou, junto a exames de corpo delito, que o então deputado a agrediu com tapas, chutes e pancadas, além de tê-la arrastado pelos cabelos enquanto se encontrava desfalecida.

Ainda assim, o sujeito foi absolvido por conta da mudança neste depoimento que Jullyene, em posterior entrevista à Folha de S Paulo, contou ter sido forçada a fazer, após ameaçadas envolvendo, inclusive, a perda da guarda dos filhos.

E como uma desgraça neste país nunca vem sozinha, mas às pencas, é bastante possível que junto à esta esdrúxula nomeação, diversos projetos insanos sejam requentados e aprovados. Dentre eles, o famigerado Estatuto do Nascituro.

E qual a proposta deste obtuso “estatuto”?

A explicação, pode começar com a história sórdida a seguir.

Há pouco tempo, nos Estados Unidos, um homem que estuprou uma garotinha de 12 anos recebeu a guarda compartilhada da criança nascida desta violação.

Em vários estados americanos, onde a legislação é mais favorável aos estupradores do que às suas vítimas, estes maníacos hoje podem ter acesso, custódia ou mesmo direitos de adotar uma criança nascida de uma mulher que tenham estuprado. Importante ressaltar que o comitê americano por onde passa este tipo de legislação é composto unicamente por homens.

Nos Estados Unidos nascem, a cada ano, entre 17 mil e 32 mil crianças frutos do crime de estupro. E estes são dados oficiais. A realidade pode ser ainda pior.

Esta notícia real horrorizou você?

Pois saiba que será exatamente por isto que, dentre outros horrores, as mulheres brasileiras, vítimas de monstros estupradores, serão obrigadas a passar com a aprovação da PEC 181 proposta por 18 deputados homens.

Esta Proposta de Emenda à Constituição, busca a criminalização do aborto em todas as situações, inclusive naquelas atualmente permitidas por lei.

Aos gritos de “sim à vida, não ao aborto“, alguns desses cínicos funcionários públicos levantaram bonecos de borracha representando ‘fetos’.

Segundo essa gente, a criança de 10 anos, estuprada pelo padrasto desde os 6 anos de idade, e grávida de gêmeos, seria obrigada a levar esta absurda gravidez a termo.

Assim como todas as meninas e mulheres violentadas neste país deverão suportar os martírios impostos por seus algozes.

Uma vez que, logo após esta emenda, o famigerado, ignóbil e desumano Estatuto do Nascituro estará aprovado visto tratar-se, basicamente, da mesma matéria, e todas as vítimas estarão obrigadas a levar a gravidez até o final, não importando sua vontade . Caso não o façam, poderão ir para a prisão!

“Art. 12. É vedado ao Estado ou a particulares causar dano ao nascituro em razão de ato cometido por qualquer de seus genitores.”

Lembrando que hoje, em caso de estupro, o aborto hoje ainda é permitido em nosso país.

Com este projeto, ele deixa de ser. Em outras palavras: o embrião terá mais direitos do que a mulher violentada – seja ela criança, jovem ou adulta, não importa.

Imagine, portanto, se você for esta mulher. Pense em sua filha, sua mãe, sua irmã, tantas mulheres próximas e queridas, passando pelo horror da violência sexual e sendo obrigadas a manterem uma gravidez que vai gerar o resultado desta selvageria.

Agora, vamos mudar de posição.

Você é a criatura que nasceu desta violência. Vai precisar tomar conhecimento da história que lhe precede, é claro. Certamente não desejará conhecer seu ‘progenitor’. Mesmo que este “estatuto” obrigue o nome do estuprador constar como “pai” na sua certidão de nascimento.

“Art. 13. § 1º Identificado o genitor do nascituro ou da criança já nascida, será este responsável por pensão alimentícia nos termos da lei.”

Você, então, saberá que foi fruto da violência de um homem contra uma mulher.

Terá consciência de que não houve afeto na sua concepção, na sua gestação e, consequentemente, em todo o restante do seu desenvolvimento.

Você gostaria ser o fruto gerado por esta violência? Você almejaria de estar no lugar da mulher estuprada? Você desejaria que uma criança, sua filha, sua irmã, neta ou vizinha, vítima de um pedófilo, fossem obrigadas, por força da lei, a suportar esta gestação?

Se respondeu não a qualquer uma destas questões, vai permitir que este PEC se torne uma realidade?

EM TEMPO:

Não é à toa que uma perturbadora série tenha feito tanto sucesso mundo fora. Trata-se de The Handmaid’s Tale, história que descreve uma sociedade futura, dominada exclusivamente por homens, onde mulheres férteis servem apenas para reprodução. Toda desobediência é castigada com penas físicas que envolvem desde a retirada dos olhos até a amputação dos membros. Nela, também, relacionamentos envolvendo pessoas do mesmo sexo podem levar à em morte ou à circuncisão feminina. As mulheres não têm direito ao seu nome, ao seu corpo e de sair à rua desacompanhada. Não decidem sequer o que podem comer e aonde ir. A série mostra a passagem entre o passado e o presente a fim de mostrar a transformação súbita de um mundo reconstruído em detrimento das mulheres.

Assim parece estar sendo conduzido nosso país hoje, lentamente, no sentido da privação dos direitos mais fundamentais até a extinção de todos, diante da indiferença cega da maioria da população.

Acompanhe os novos textos através do: http://www.facebook.com/aheloisalima

E, se desejar, envie seus comentários para psicologaheloisalima@gmail.com

Um pensamento sobre “A PERVERSIDADE INUNDA O BRASIL

  1. Que mundo é esse para o qual estamos indo, as vezes já estamos nele em alguns aspectos. Enquanto isso as pessoas investem tempo para discutir eliminação em BBB, defender o seu politico de estimação, lutar por causas vazias em nome do politicamente correto, que raras vezes acrescenta algo de fato, enquanto isso, parece cena de filme: Enquanto isso seres maléficos vao arquitetando e executando seus planos. Se é filme é de terror, mas o terror na verdade é que não é filme, nem serie é a vida real mesmo… Que medo!!!

Deixe seu comentário...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s