ENCARANDO NOSSOS MEDOS

Imagem Movimento Medo 4

“Medo, medo, medo, medo, medo, medo…
Cada um guarda mais o seu segredo,
A sua mão fechada, a sua boca aberta,
O seu peito deserto, a sua mão parada,
Lacrada, selada, molhada de medo.”

In: Hora do Almoço – de Belchior

 

Você sente medo?

Pois eu sinto. E também sinto que vivemos, a todo momento, como se estivéssemos a um passo de uma crise de ansiedade.

De acordo com relatório divulgado em 2017 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) somos 18,6 milhões brasileiros diagnosticados com ansiedade – a maior prevalência desse transtorno na América Latina.

Nos últimos anos temos nos tornado cada vez mais ansiosos – sobre conseguir um emprego ou não, ter dinheiro ou cair na miséria, ter amigos ou nos mantermos isolados, viver ou morrer e sobre tudo mais.

Quer dizer: o medo da morte, medo da vida, medo da solidão, medo da escuridão, medo de não ser ninguém, medo de não alcançar algum sucesso, medo de não ter talento para coisa nenhuma, medo de muitas coisas diferentes.

Diante disto, é mesmo bastante possível que existam muitas pessoas levando uma vida extremamente superficial, falando eternamente sobre coisas que não importam, para, assim, nunca estarem conscientes de si mesmos e dos próprios medos. 

Mas, se você busca se entender de uma forma mais profunda, saberia dizer em que nível é capaz de se tornar consciente dos seus temores? Trata-se de uma consciência intelectual deles ou você está realmente ciente nos seus níveis mais profundos? E se eles estão escondidos, como espera que eles lhes sejam expostos? Você precisa ir a um analista ou o analista é você mesmo?

Uma coisa que aprendi é que o medo é como o tronco de uma grande árvore que, quando a gente consegue desvendar, faz os galhos murcharem. Se conseguimos entender a raiz do medo, então os ramos – ou os vários aspectos deste medo – podem arrefecer. 

Então, qual é a raiz do medo? Você já tentou olhar para o seu medo de verdade? 

Por favor, tente olhar para ele agora. Convide-o para aproximar-se de você. 

Naturalmente, sei que você não está com medo agora, sentado aí diante do seu computador. Mas pode pensar um pouco sobre isto, não?

É bem possível que sejam muitos. Solidão, não ser amado, não ser bonito, perder o emprego, isso ou aquilo. Olhando para um medo, para o seu medo particular, você pode então ver a raiz desse medo; não apenas a raiz desse medo, mas a raiz de todo o medo. 

Através de um medo, observando-o no sentido de o observador ser o observado, então você verá por si mesmo que através de um medo você descobre a própria raiz de todo o medo.

Ao olhar para um medo, você descobre a natureza do todo.

Suponha que alguém tenha medo da solidão. Você já se defrontou com a solidão ou ela é apenas uma ideia do que você teme experimentar? Não o fato da solidão, mas a ideia de solidão, entende?

É a ideia ou a realidade que assusta você? Eu tenho uma ideia de solidão e a ideia é a racionalização do pensamento que me diz: ‘Não sei o que é, mas tenho medo’

Ou, pelo contrário, você sabe o que é a solidão, o que não é uma ideia, mas uma realidade

‘Eu sei disso quando estou entre muitas pessoas e de repente sinto que não estou relacionado a nada, que estou absolutamente dissociado, perdido e que não posso confiar em ninguém. Todas as minhas amarras foram cortadas e sinto-me tremendamente solitário, assustado.’

Existe um sentimento de viver num tremendo isolamento, tão vasto quanto duro, e que parece não poder ser penetrado, o que, naturalmente, traz grande apreensão. 

Isso é uma realidade. Mas a ideia sobre isso não é uma realidade. O que a maioria de nós tem é apenas uma ideia sobre o medo.

Confesso que, em minha vida diária, minhas atividades, pensamentos, desejos, prazeres e experiências são cada vez mais isolados. Eu observo claramente isso. E percebo esta sensação em meus movimentos e atividades diárias. E na observação dessa solidão, o observador faz parte dela, não tenho a menor dúvida.

Ainda que você tente escapar, encobrir, racionalizar, você se depara com isso. Você é isso.

Agora você pode observar seu medo e através dele chegar na sua raiz. Isto é, através dessa sensação de solidão, você encontra a fonte do seu medo.

Mas, para alcançá-la, para apreender este nível de consciência, é preciso estar realmente livre do medo. O medo é a essência do animal. Agora, para compreendê-lo é preciso entrar diretamente em contato com ele.

Pois só então você descobrirá que, mais hora menos hora, todo medo cessa. Porque acima da compreensão e do aprendizado sobre ele, vem a inteligência. E a inteligência é a essência da liberdade. 

Finalmente, a exposição ao que produz medo é particularmente útil no nível emocional. Acontece que muitos (talvez todos) problemas de ansiedade são, em sua essência, um “medo do medo“. A maioria das pessoas que temem multidões, elevadores ou aviões sabem, num nível muito racional, que esses objetos não são perigosos, uma vez que não ficam aterrorizados quando seus pais ou seus filhos frequentam shows lotados, usam elevadores ou avião. O que eles temem, no fundo, são as sensações do próprio medo. 

Pessoas sem transtornos de ansiedade lidam com sentimentos periódicos de medo e pânico com mais tranquilidade que as demais. No entanto, aquelas que lidam com ansiedade ou pânico evitando o que temem têm um risco muito maior de desenvolver um distúrbio de ansiedade. 

Evitar o objeto do medo realmente aumenta o medo do objeto. 

Isso pode ser um problema quando o medo impede que alguém aproveite sua vida ou promova seus potenciais. O sujeito com medo de viajar de avião, por exemplo, pode deixar de visitar amigos queridos porque estão em cidades distantes ou de seguir a carreira almejada porque envolve viagens aéreas.

Logo, a exposição às sensações de medo pode permitir que a gente se habitue com esses receios, ao mesmo tempo em que melhora nosso desenvolvimento emocional.

Morar na prisão representada pela eterna evitação do que nos aterroriza deve ser terrível. Ainda que o exercício de exposição não seja tarefa fácil, é a maneira mais saudável de encontrar uma vida livre deste tipo de ansiedade debilitante.

Acompanhe os novos textos através do: http://www.facebook.com/aheloisalima

E, se desejar, envie seus comentários para: psicologaheloisalima@gmail.com

 

Um pensamento sobre “ENCARANDO NOSSOS MEDOS

  1. Pingback: ENCARANDO NOSSOS MEDOS — O sentido do ser – Pensamentos Sem Volta

Deixe seu comentário...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s