A SERENIDADE VITAL

imagem-movimento-beira-mar

“Viver é afinar o instrumento
De dentro pra fora,
De fora pra dentro;
A toda hora, todo momento,
De dentro pra fora
De fora pra dentro;
A toda hora, todo momento,
De dentro pra fora
De fora pra dentro.
Tudo é uma questão de manter
A mente quieta,
A espinha ereta
E o coração tranquilo.”

In: Serra do Luar – de Walter Franco

Segundo o estudioso e professor Luciano Castro Lima:

“Não é o princípio ou o conceito que cria e desenvolve o conhecimento. Pelo contrário, é o conhecimento que gera o princípio ou o conceito. Uma afirmação, definição ou uma assertiva só se torna conceito ou princípio se o objetivo final foi alcançado. E a qualidade, abrangência, profundidade e validade deste conceito ou princípio não é reconhecido ou dado por si próprio e sim pela eficiência do resultado obtido pela prática do trabalho que é coletivo em si. Se for matéria humana, precisa ser guardada e perpetuada – o que é feito através da linguagem, que é o registro afetivo, artístico, oral, escrito, técnico, lógico, matemático e científico de um conhecimento.”

Algumas proposições logo tornam-se afirmações básicas que, de tão reconhecidas e absorvidas por nossa mente, não admitem muitos questionamentos ou dúvidas. Certo?

Então, deixe-me propor uma tese provavelmente não muito original, mas totalmente baseada na minha experiência pessoal e profissional aliada à uma sincera percepção e entendimento em relação aos que me são próximos.

Da mesma maneira como Newton e seus pares observaram que dois corpos são incapazes de permanecer no mesmo espaço ao mesmo tempo, afirmo categoricamente que dois pensamentos antagônicos também o são.

Isto significa que você jamais conseguirá pensar em coisas boas e positivas se, ao mesmo tempo, deixar-se invadir por pensamentos tristes e sombrios. E estes últimos sempre dominarão os demais por conta da natureza intrusiva e indomável que demonstram quando instalados.

Por isso, garanto: a força bruta da natureza humana é governada por forças tão poderosas quanto as da Física.

Então, grave isso como um mantra: se você for forte e persistente o bastante para deixar rancores, antipatias, lembranças que lhe fazem mal quando recordadas, sentimentos que lhe provocam tristezas, enfim, todo este caldo indigesto e corrosivo de lado, como se estivesse definitivamente equacionado dentro de você; se você realmente acreditar nisto e buscar este afastamento vital como quem se livra de um perigo mortal e iminente, acredite: toda a dor provocada por tais recordações irá embora da sua consciência e não mais lhe atormentará.

Existe uma técnica que nos ensina mais ou menos o seguinte: ao sentir raiva de alguém ou de alguma experiência ruim, acalme seu coração e respire calmamente – sem evitar a lembrança. Feche os olhos e pense nesta pessoa ou neste episódio com serenidade. Preencha, como se tivesse este poder, esta memória com muita luz até que a imagem, mergulhada em tamanha luminosidade, se dissipe tornando-se uma breve e etérea névoa branca.

Ao mesmo tempo, procure conceber sentimentos de paz e de tranquilidade. Daí, esta mesma fonte de calmaria inundará sua mente e sua alma de maneira plena e positiva. Você dará um novo significado a esta lembrança tão dolorosa e ela, abrandada, abrirá espaço para que novas e significativas memórias se assentem.

Muitas vezes “deixar para trás” significa ter coragem de abandonar um emprego, uma amizade, um espaço, uma relação, um projeto, um grupo – seja ele familiar ou não. Abrir mão de mágoas e ressentimentos no lugar de fingir que o rancor nunca esteve lá, muitas vezes, é a única saída para seguir em frente e edificar experiências mais produtivas, significativas e satisfatórias.

E deste modo– e apenas assim, creia – seu caminho se abrirá para novos e grandes aprendizados.

A realidade do que você é não lhe será negada desde que você aceite e perdoe verdades muitas vezes difíceis acerca de si mesmo(a).

E, portanto, terá compreendido este princípio humano básico: quando abandonamos as coisas ruins, sejam elas objetos, pensamentos, atitudes, hábitos, companhias, planos, bugigangas que teimamos em guardar naquele armário frio e nebuloso que evitamos acessar por puro medo, abrimos uma clareira para que o novo aconteça em nossas vidas.

Não tenha medo e desapegue-se daquilo que não lhe faz bem. Deixe-se inundar de vida, acreditando mais na sua força e na sua intuição. E, desta forma, viverá muito mais feliz e apto(a) para produzir coisas boas.

 Acompanhe os novos textos através do: http://www.facebook.com/aheloisalima

 E, se desejar, envie seus comentários para psicologaheloisalima@gmail.com

Deixe seu comentário...

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s